Contato

Fechar Contato Milano

Empresa (obrigatório)

Nome (obrigatório)

E-mail (obrigatório)

Celular (obrigatório)

Cidade (obrigatório)
Estado

Assunto

Mensagem


O serviço de atendimento Milano está apto para esclarecer todas e quaisquer dúvidas de maneira assertiva e personalizada.

 

Atendimento: Sumaré – SP

Av. Daniel D’Colle, 188 – Chácaras Reunidas Anhanguera
CEP 13177-440 – Sumaré – SP
Fone: +55 (19) 2102-2500 – Fax: +55 (19) 2102-2510

Central de atendimento: +55 (19) 2102-2500

Publicado: 22/10/2014

Faturamento da indústria avança 3,1% em outubro

O faturamento da indústria cresceu 3,1% em outubro ante setembro, registrando a quarta alta consecutiva, segundo os dados estão da pesquisa Indicadores Industriais, divulgada nesta terça-feira (2) pela Confederação Nacional da Indústria (CNI).

O resultado positivo, no entanto, não foi suficiente para reverter o quadro negativo de janeiro a outubro, período em que há queda de 1,7% na comparação com os mesmos meses de 2013. Na comparação com outubro do ano passado, há alta no faturamento, de 1,3%.

As horas trabalhadas e a utilização da capacidade registraram queda. As horas trabalhadas caíram 0,3% ante setembro deste ano e 4,9% na comparação com outubro de 2013.

Já a utilização da capacidade instalada, que ficou em 80,6% em outubro, está 0,5 ponto percentual menor na comparação com setembro e 1,7 ponto percentual inferior à registrada em outubro do ano passado. Como resultado da atividade fraca, o emprego no setor recuou, caindo 0,1% comparado com setembro e 2,8% ante outubro de 2013.

O levantamento mostrou ainda que, apesar da atividade e emprego em queda, houve crescimento da massa salarial real de setembro para outubro, de 0,7%. Na média acumulada de janeiro a outubro também houve alta, de 2,4%, ante igual período em 2013.

O rendimento médio real, por sua vez, cresceu 0,7% entre setembro e outubro e 2,7% no acumulado do ano. Segundo a CNI, “o resultado mostra certa inércia nos reajustes dos salários da indústria, que seguem avançando em termos reais. Tal comportamento tende a pressionar os custos com pessoal e, consequentemente, dificultar a recuperação do setor”.

Fonte: http://goo.gl/1qw8wV